Blog

Dicas e informações

Você sabe o que é rastreamento de frota na prática?

 
Como tornar os processos mais eficientes, seguros e menos custosos? É essa a pergunta que martela o tempo todo na cabeça de quem trabalha com logística. Uma das respostas possíveis é o rastreamento de frota. Vamos entender por quê?
 

O que é um serviço de rastreamento?

Rastrear é acompanhar, em tempo real, o trajeto de um veículo. Além da localização exata do carro ou caminhão, as tecnologias de rastreamento fornecem um punhado de outras informações, como se o motorista se está pisando muito forte no acelerador e quantas vezes as portas estão sendo abertas e fechadas.
 
O rastreamento de frotas, em geral, é feito por GPS ou radiofrequência. Os GPS (ou “sistemas de posicionamento global”, em português) são aparelhinhos que se comunicam com uma rede de 24 satélites que orbitam o planeta Terra. Esses satélites emitem sinais para os receptores (os GPSs), que respondem com as coordenadas geográficas do veículo (latitude e longitude). Dentro desses satélites, existem relógios atômicos extremamente precisos que conferem o tempo que passou entre a emissão o sinal para a Terra e a chegada da resposta. Esse intervalo de tempo permite ao sistema calcular, com precisão de metros, a localização do veículo.
 
Já nos rastreadores que funcionam por radiofrequência, as informações são emitidas e recebidas por meio ondas de rádio captadas por antenas. A radiofrequência permite uma cobertura de área bem ampla e funciona bem até mesmo onde os GPS às vezes falham, como túneis e subsolos.

Os 5 benefícios do rastreamento de frota para sua empresa

 
A operação logística é um tipo de empreendimento que envolve altos investimentos para a aquisição da frota e requer diversos controles para se manter eficiente. Por isso, é importante que os profissionais contem com recursos para manter o empreendimento em pleno funcionamento.
 
As empresas que oferecem sistemas capazes de automatizar a gestão da frota e permitir que os gestores foquem a sua atenção em assuntos mais estratégicos fazem parte de um grupo de parceiros muito valorizados.
 
Por isso, apresentamos algumas das melhorias que podem ser obtidas com esse serviço. Assim, você pode analisar profundamente as vantagens para decidir se vale a pena investir em sistemas de rastreamento de frota.

Reduzindo custos com a manutenção de frota

 
Não importa qual é o seu negócio ou o tipo de veículo que ele utiliza – de motos e bicicletas a caminhões, passando por carros e até mesmo ambulâncias, sempre vai ser necessário realizar algum tipo de manutenção de frota. Há jeitos, no entanto, de fazer isso reduzindo custos operacionais e até mesmos riscos à segurança. Nesse artigo você vai entender como uma boa manutenção de frotas é feita, como pode ser otimizada e que tipo de recursos tecnológicos podem auxiliar nessa tarefa.
 
Qual é a importância da manutenção?
À primeira vista, manter sua frota em bom estado pode parecer algo custoso para a operação da empresa. Mas, como diz o ditado, o barato às vezes pode sair caro – quem já teve de chamar um guincho ou um mecânico de última hora sabe bem o que é isso. No caso de uma operação corporativa, isso é ainda mais importante: ter veículos em condições plenas de rodar pode fazer com que a empresa economize em diferentes aspectos.

Como o rastreamento na agricultura pode ajudar a gestão no campo

 
Produção agrícola é um dos grandes destaques da nossa economia. Dados atuais da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) apontam para recordes nas colheitas. Em levantamento publicado recentemente, o órgão divulgou índices de produção na faixa de 238,9 milhões de toneladas de grãos, que irão impactar nos índices econômicos e, consequentemente, nas movimentações logísticas em todo o país. Em meio a tanta produção, é imprescindível saber onde estão seus veículos e como eles estão operando. Vamos conhecer mais sobre como é utilizado o rastreamento na agricultura.

Confira 10 dicas de manutenção automotiva

 
Ao contrário do que muitos imaginam, a manutenção de um automóvel não é um bicho de sete cabeças. Você mesmo, com um certo conhecimento, pode avaliar os componentes inseridos no cofre do motor e o conjunto de rodas e pneus, por exemplo, para anotar quaisquer possíveis causas de anomalias apontadas pelo seu veículo.
 
Para você não ficar na mão (e também com o bolso mais vazio), é importante conhecer os principais itens de um veículo que carecem de manutenção periódica e seus prazos para serem checados. Separamos abaixo um checklist com os 10 principais recursos. Confira:
 

Avalie as condições da correia dentada

A correia dentada é uma das peças mais imponentes para garantir o funcionamento do motor. Ela liga o eixo-comando de válvulas ao virabrequim do motor, mantendo o sincronismo e controlando a abertura e fechamento das válvulas de admissão e escape, além do virabrequim e do comando de válvulas. Sendo assim, tal componente deve estar sempre em perfeitas condições para você não ficar na mão e evitar sérios problemas.
 
É recomendada a revisão da correia dentada a cada 10 mil quilômetros rodados ou de seis em seis meses. Além da correia dentada, você deve checar as condições dos tensionadores e das polias. Essas dicas, porém, não valem para carros dotados de corrente de transmissão, que é mais robusta, não conta com um prazo determinado para sua substituição e não costuma dar defeitos – a corrente deve ser checada a cada 50 mil km.
 

Confira as velas de ignição

Outro item que marca presença no conjunto motriz de um veículo são as velas de ignição. Elas são responsáveis pela faísca que faz o combustível explodir e iniciar o funcionamento do motor para “girar as rodas”. Caso elas não estejam em boas condições, podem provocar um aumento do consumo de combustível e das emissões de poluentes e o acúmulo de resíduos na câmara de combustão e também acelerar o desgaste das bobinas e do catalisador.
 
As velas de ignição do motor de um automóvel devem ser verificadas a cada 10 mil quilômetros. Já a substituição varia de acordo com as condições dos componentes e também conforme as recomendações da fabricante do veículo no manual do proprietário.
 
O seu mecânico de confiança deve checar ainda a situação dos cabos. Caso eles apresentem oxidação ou ressecamento, rachaduras e mau encaixe, devem ser substituídos imediatamente. Os cabos em más condições podem provocar queda de rendimento e falhas no motor e fuga de corrente.
 

Faça a manutenção das palhetas dos limpadores de para-brisa

É fato que muitos motoristas lembram das palhetas dos limpadores de para-brisa somente em condições de chuva, quando elas começam a apresentar rangidos em seu funcionamento e, principalmente, ineficiência para limpar a água dos vidros. O componente que mais costuma apresentar desgaste de todo o conjunto dos limpadores é a borracha, que deve ser trocada a cada três ou quatro meses.
 
Na verdade, este intervalo depende das condições de uso, visto que um automóvel que fica boa parte do dia sob a luz do sol, ou seja, submetido a constantes situações de sujeira podem apresentar um desgaste das palhetas mais rápido que as de um carro que costuma ficar numa garagem fechada. O melhor método para verificar as condições é realmente utilizando os limpadores.
 

Faça a revisão periódica dos freios

Os freios estão diretamente ligados à segurança dos ocupantes de um veículo. Sendo assim, não dá para “brincar” com esses itens. O conjunto de freios é composto por uma série de recursos, como o pedal, fluído de freio, servo freio, cilindro mestre, discos e tambores (ou somente discos, dependendo do automóvel), pastilhas e lonas e mangueiras e canos.
 
O recomendado é fazer a manutenção preventiva seguindo o tempo de cada componente. As pastilhas, por exemplo, costumam durar cerca de 25 mil km, assim como os discos. Já os tambores e as lonas têm duração média de 50 mil km. As outras peças devem ser trocadas apenas quando estragarem. Você deve ainda checar o manual do proprietário.
 

Fique atento ao óleo do motor e do câmbio

O óleo do motor lubrifica as peças internas (reduzindo o atrito e evitando o desgaste excessivo dos componentes), mantém a temperatura e elimina as impurezas do conjunto. Entretanto, não há um tempo certo para fazer a troca do óleo. Para quem usa o carro frequentemente e em longas distâncias, a troca deve ser feita a cada 5 ou 7 mil km ou a cada seis meses. Já se você não utiliza o carro constantemente, a substituição deve ser realizada entre 10 mil e 16 mil km ou um ano. O indicado, porém, é verificar o nível de óleo com a vareta medidora.
 
Já o óleo da caixa de câmbio atua como lubrificante das peças internas do conjunto e também refrigerando e limpando o sistema. Alguns modelos com câmbio manual não necessitam da substituição da substância. Neste caso, você deve pedir ao seu mecânico somente para checar o nível do óleo a cada 10 mil km e completa-lo caso necessário. Porém, você precisa sempre checar o manual do proprietário.
 
Por outro lado, num câmbio automático, é recomendada a troca do óleo a cada 50 mil km, de acordo com o seu veículo e o fabricante. Você precisa checa-lo a cada 20 mil ou 30 mil km devido à possibilidade de vazamento.
 

Mantenha a bateria em boas condições para não ficar na mão

Imagina você não conseguir destravar o seu carro pelo alarme ou até mesmo não conseguir dar partida no motor? Situação complicada, não? Sendo assim, você deve checar as condições da bateria do seu carro sempre que possível para evitar dores de cabeça.
 
Verifique a situação da fixação da bateria, cabo positivo e negativo, nível do eletrólito (líquido da bateria), tampas dos elementos, caixa da bateria e conexão dos cabos. Já a manutenção deve ser focada no reabastecimento dos elementos, carga e nível do eletrólito.
 

Realize a revisão do conjunto de suspensão

Não precisamos nem falar muito das funções da suspensão de um veículo, não é mesmo? Ela simplesmente “sustenta” um veículo e garante que os ocupantes não sintam boa parte dos impactos e imperfeições do piso. O conjunto é composto por amortecedores e molas, braços oscilantes, pivô e barra estabilizadora. E você pode verificar se há alguma anomalia caso haja ruídos e barulhos estranhos ou até mesmo se a dirigibilidade do carro está prejudicada.
 
Para evitar problemas maiores, você precisa acompanhar o desgaste das peças, realizar a inspeção periódica e substituir as peças quando necessário. Nesta última situação, caso você mantenha as peças defeituosas no conjunto, elas poderão tornar o problema ainda maior e danificar outros componentes.
 

Rodas e pneus em boas condições são imprescindíveis!

Assim como os freios, o conjunto de rodas e pneus em más condições pode ocasionar sérios riscos à segurança dos ocupantes. O desgaste desses componentes acaba sendo frequente caso você tenha como costume trafegar em pisos ruins, repletos de buracos, irregularidades de obstáculos. Deste modo, faça a manutenção periódica das rodas e dos pneus, para assegurar a segurança e o conforto do motorista e dos passageiros.
 
Entre as recomendações, faça o alinhamento e o balanceamento a cada 5 mil km rodados, e também o rodízio a cada 5 ou 10 mil km. Você deve ficar atento ainda aos pneus carecas, que devem ser substituídos o quanto antes, e a danos na parte interna dos pneus. As rodas carecem de atenção nos parafusos e em alguns danos, que podem ser reparados. Porém, em caso de danos profundos, o recomendado é adquirir uma roda nova.
 

Substitua os filtros quando necessário

Os filtros de ar, combustível e óleo têm praticamente uma mesma função: impedir que impurezas cheguem na mistura de ar e combustível, no tanque e no sistema de alimentação e na lubrificação do motor, respectivamente.
 
O recomendado é trocar o filtro de ar a cada 10 mil km (ou numa quilometragem menor em caso de uso severo), o filtro de combustível entre 10 mil e 15 mil km e o filtro de óleo sempre com a troca de óleo, entre 10 mil e 15 mil km.
 

Verifique o sistema de arrefecimento

O sistema de arrefecimento tem como principal função manter a temperatura ideal do conjunto mecânico do carro. Ele é composto por bomba d’água, válvula termostática, radiador, ventoinha, reservatório de expansão de água, sensores de temperatura, líquido de arrefecimento, tubulações e mangueiras. O líquido de arrefecimento deve ser substituído a cada 30 mil km ou um ano, a válvula termostática a cada 70 mil ou 100 mil km e os demais componentes conforme a manutenção do conjunto e o uso do veículo.
 

Bônus

Se você quer um auxílio para a segurança do seu veículo, o ideal é contar com a Rastro Soluções em Rastreamento. Com dispositivos de última geração e uma equipe qualificada, você tem à disposição o melhor em termos de rastreamento e monitoramento. E o melhor de tudo isso é que custa bem pouco pelo que é oferecido.
 
Não fique na dúvida, fale conosco hoje mesmo e garanta um desconto especial na instalação do seu rastreador por ter lido esse artigo. Como? Simples! Basta entrar em contato conosco e dizer que leu o artigo "Confira 10 dicas de manutenção automotiva" e o desconto na taxa de instalação será informado na hora.
 
Até a próxima!

Rastreamento para ônibus contribui para o aumento da segurança e eficiência

 
Os rastreadores têm inúmeras utilidades. Uma delas, que tem se tornado cada vez mais popular, é desenvolvimento de aplicativos que permitem aos passageiros saber a localização exata do ônibus. Esses aplicativos ajudam os usuários do transporte público a se planejar melhor, não perdendo muito tempo nos pontos ou viajando em ônibus muito lotados.
 
Os rastreadores também são uma mão na roda para as empresas transportadoras. Eles informam sobre tudo: se o motorista está pisando muito forte no acelerador, se a rota combinada está sendo seguida, se a viagem vai atrasar ou não, se as paradas estão demorando muito. As informações fornecidas pelos rastreadores deixam a prestação de contas aos clientes mais transparente, objetiva e completa.

Central de Atendimento

0800 591 2596

Canal de Vendas

51 9 8639-8798

Administrativo/Financeiro

51 9 8548-0336

Suporte Técnico

51 9 9893-6509

Pronta Resposta

51 9 8445-6493

Envie sua mensagem

EMPRESA
PARA VOCÊ
PARA SUA EMPRESA
RUPTELA
SOLUÇÕES
CONTATO
Rua Mario Quintana, 28
Eldorado do Sul - RS
CEP 92990-000
0800 591 2596
51 9 8639.8798
Oliveira & Cardoso Serviços de Rastreamento Ltda.
CNPJ 31.074.419/0001-11

Política de Privacidade
Política de Cookies
Contrato de Serviços